06/08/2017

Turistas alemães e belgas em Aboim da Nóbrega para assistir a uma malhada de centeio à moda antiga!


A recriação da tradicional malhada do centeio é uma das atividades mais emblemáticas da programação Na Rota das Colheitas, cuja fama já extravasou as fronteiras do país. Ontem, 06 de agosto, a Eira de David Martinga, em Aboim da Nóbrega, recebeu dois grupos de turistas internacionais (alemães e belgas), que se juntaram a vilaverdenses e visitantes portugueses para embarcar numa autêntica viagem no tempo à descoberta das raízes da tradição minhota.

O centeio espalhado cuidadosamente pela eira de pedra. Os malhos de madeira e as vassouras de giesta. O vinho verde entre malhadas para refrescar o corpo e fortalecer a alma. Dois grupos de homem a brandir o malho a compasso, numa sequência de estrondos violentos que rasgam o ar e ecoam pelas redondezas, enquanto quebram o centeio dourado pelo sol. Uma prova de vitalidade e destreza que leva a um despique saudável entre as duas ‘equipas’. Tudo como manda a boa tradição minhota.

Às mulheres cabe a tarefa de organizar o centeio entre malhadas e recolher as sementes que se libertam, porque o pulsar do mundo rural não abranda e é preciso preparar as próximas sementeiras para voltar a colher da terra o sustento. Um misto de sons e cheiros que nos transportam para outra era. Não poderiam faltar também as cantigas e danças populares para animar a festa. Ainda antes de arregaçar as mangas e começar o rabalho, houve tempo para uma atuação do Rancho Típico das Lavradeiras de Aboim da Nóbrega. No final, termina tudo com uma merenda farta que é generosamente partilhada com todos os presentes.

Antigamente a malhada durava o dia inteiro
Lembranças de um tempo ido em que o centeio abundava e a agricultura era o principal meio de subsistência das populações locais. “Antigamente, malhavam 24 homens de cada vez, 12 de cada lado, e mesmo assim a malhada durava um dia inteiro. Também se cantava muito, era muito bonito”, recordou Maria Costa. Por sua vez, Nélson Dias lembrou algumas práticas peculiares. “Havia algumas eiras em pedra, mas a maioria era em terra. Durante algum tempo antes da malhada, começava-se a recolher a bosta do gado, que era derretida em água e depois ficava a secar. Assim que estivesse seca também ficava dura e era pousada na eira para que o centeio não ficasse pousado diretamente na terra”, afirmou, acrescentando que, no final, sacudia-se a palha para retirar o colmo, utilizado no enchimento de colchões e almofadas e para chamuscar os pelos do porco após a matança da seba.

Reavivar memórias e ensinar as novas gerações

Presente no local, a vereadora da Cultura do Município de Vila Verde deixou rasgados elogios à organização, a Junta da União de Freguesias de Aboim da Nóbrega e Gondomar, bem como às associações e voluntários locais, pelo trabalho de preservação de uma prática que esteve em vias de extinção. “O evento cumpre um duplo propósito. Por um lado, reavivar memórias e recriar uma tradição antiga, colocar em destaque os sabores e saberes tradicionais. Por outro, a vertente pedagógica, ensinado às gerações mais novas os saberes tradicionais e a riqueza da cultura popular”, afirmou júlia Fernandes, sem esconder a satisfação pela presença de dois grupos de turistas internacionais (alemães e belgas) e da bloguer brasileira Naira Back, que “vão ajudar a continuar a divulgar e promover esta festa”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Na Rota das Colheitas 2016. Obrigada pelo seu comentário.

Na Rota das Colheitas 2016